Senai-SP forma primeira turma de curso pós-técnico

A A A

Especialização Desenvolvedor Multiplataforma Web & Mobile prepara o aluno para ter visão de negócios e empreendedorismo

12/12/2016

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

Diferente de tudo o que já foi realizado pelo Senai-SP, em termos de qualificação profissionalizante, o curso pós-técnico de Desenvolvedor Multiplataforma Web & Mobile diplomou sua primeira turma no último fim de semana, dias 9 e 10 de dezembro, em São Paulo. As atividades foram encerradas com exposição dos trabalhos dos 173 formandos, que elaboraram projetos para atender a necessidades específicas de 27 empresas previamente selecionadas. O curso, que teve seu início em julho e duração de 160 horas, é fruto da parceria da entidade com a JP Morgan Chase Foundation e Endeavor.

Para o desenvolvimento do conteúdo curricular, as empresas apresentaram problemas reais de suas operações. Para cada uma delas foi montada uma equipe, composta por um mentor da própria empresa e pelos alunos da especialização. Cada grupo trabalhou durante seis meses para encontrar soluções para os problemas das empresas e teve de pôr a mão na massa, desde o planejamento e documentação dos projetos até a elaboração do produto final.

O diretor da Escola Senai de Informática, Alexssandro Reginato, entende que esse novo formato agrega muito para os jovens estudantes, para o Senai-SP e para as indústrias beneficiárias. “O mundo depende cada vez mais das novas tecnologias. Ter jovens com visão empreendedora e novas ideias em nossos cursos nos ajuda a olhar para o futuro da indústria de outra maneira”, afirma o diretor.

Segundo Rafael Pedreira, instrutor do Senai-SP responsável pela gestão de projetos durante o curso, a especialização é um programa pioneiro, que pode revolucionar o ensino profissionalizante. “O formato de aula é diferente. Não é aquela aula tradicional, em que o professor centraliza o conhecimento. Todo o projeto é construído de forma colaborativa, compartilhado por todos, e muito semelhante ao dia a dia profissional. Tem prazo, metas e cobranças”, define.

A vivência prática do curso é um dos pontos positivos destacados pela aluna Bruna Nunes, que com os colegas Rubens Correa e Rafael Nepomuceno, trabalhou no projeto intitulado Wismo, que é um aplicativo de rastreamento de pedidos de e-commerce, desenvolvido para a empresa Intelipost. “Criamos não apenas o aplicativo para smartphones, mas também um site onde o cliente poderá acompanhar em tempo real onde está o seu pedido. Uma de suas vantagens é a facilidade do acesso e a interface agradável”, explica Bruna.

“Durante o curso realizamos muitos workshops, com o intuito de adquirir mais conhecimento sobre como desenvolver o produto. O professor estava sempre conosco, orientando o projeto, mas nós é que encontramos as soluções. E essa experiência prática agrega bastante ao currículo”, enfatiza o aluno Rubens. 

O curso também conta com números favoráveis em relação à empregabilidade. De acordo com levantamento de Pedreira, 80% dos alunos desenvolvem atividade remunerada. Deste total, 18% conseguiram nova colocação durante o curso. Esse foi o caso de Felipe Assunção, que faz parte do grupo que desenvolveu o aplicativo para celulares e desktop Clube do Talher, atendendo à empresa de tecnologia Ecommet. “Fomos desafiados o tempo todo. E mesmo antes do término do curso eu já me senti vencedor, pois fui contratado por eles como funcionário”, comemora Felipe.

Para ingressar no curso, os alunos tiveram de comprovar como pré-requisito estar no último semestre do curso de educação profissional técnica de nível médio na área de informática ou curso correlato, ter diploma de conclusão de curso técnico na área de informática ou curso correlato nos últimos cinco anos, ou estar matriculado a partir do 3º semestre em cursos superiores na área de Tecnologia da Informação ou curso correlato. 

O curso foi oferecido gratuitamente, com direito a almoço, lanche, uniforme e material didático, além de garantir aos formandos uma certificação inovadora, voltada às necessidades reais do mercado.

Francisco Bartolomeu Costa Araújo/Senai-SP
Na diplomação da primeira turma do curso pós-técnico do Senai-SP, alunos e equipe junto com a diretoria da entidade, incluindo seu diretor regional, Walter Vicioni