Quatro alunos do Senai-SP fazem intercâmbio na Holanda em julho

A A A

Atividade dos estudantes do curso Tecnologia em Alimentos faz parte do processo de internacionalização dos cursos superiores de tecnologia do Senai-SP

30/06/2017

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

Nada de pausa. O mês de julho será repleto de atividades para quatro estudantes do curso superior de Tecnologia em Alimentos da Faculdade de Tecnologia Senai Horácio Augusto da Silveira, localizada na Barra Funda, em São Paulo. Eles embarcam para a Holanda, onde participarão do programa Escola de Verão de Haia, da Universidade de Haia de Ciências Aplicadas.

Os alunos Rafaela Campelo, Thaís Tibúrcio, Fernando Henriques e Debora Pantaleão foram contemplados com bolsas disponibilizadas pela universidade holandesa, como parte das estratégias de internacionalização das Faculdades Senai-SP.

A cada ano, estudantes com diferentes origens e áreas de especialização são desafiados a buscar soluções para resolver problemas mundiais. Este ano, o programa tem como tema "Como manter cidades sustentáveis ??no futuro". Além de trabalhar um tema atual, importante para todos os países, o participante tem a oportunidade de frequentar uma das mais conceituadas instituições de ensino da Europa.

Qualidade atestada

A Faculdade de Tecnologia Senai Horácio Augusto da Silveira conquistou o Selo de Qualidade para curso superior Tecnologia em Alimentos. A certificação foi obtida em dezembro do ano passado, e a solenidade de entrega do selo será realizada na noite desta sexta-feira (30 de junho), na sede da faculdade. O curso de Tecnologia em Alimentos foi o primeiro da área Química a receber o CRQ-IV.

Participarão da solenidade de entrega do selo o diretor da unidade, Estebe Ormazabal Insausti, a coordenadora da faculdade, Tatiana Beatris Tribess, e o auditor educacional do Senai-SP, José Carlos Mendes Manzano.

A obtenção do selo do CRQ-IV é importante para atestar se o curso cumpre os seus objetivos e se a estrutura oferecida proporciona a formação de profissionais alinhados às necessidades do mercado de trabalho. A certificação abrange quesitos como a organização didático-pedagógica da escola, o que envolve a atuação do coordenador do curso, assim como sua titulação e formação, carga horária, experiência, articulação da gestão e também a implementação de políticas institucionais.

Além destes, são considerados aspectos como: projeto pedagógico do curso; perfil dos formados; coerência curricular; estratégias de ensino; perfil do corpo docente em relação à formação, titulação e regime de trabalho; e instalações físicas da instituição (biblioteca, laboratórios, uso de equipamentos de segurança etc).