Design do Senai-SP é premiado em 4 categorias pelo Museu da Casa Brasileira

A A A

Premiação máxima para o E.CUB e para a Impressora 3D Elite e segundo lugar para o Vedador Cirúrgico Gas Seal e para o Conector Pente de Medusa

13/11/2017

Nanci Gardim, Agência Indusnet Fiesp

Dois projetos do Senai-SP receberam o reconhecimento máximo e outros dois ficaram em segundo lugar em sua categoria na 31ª Edição do Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, que neste ano contou com a inscrição de 587 trabalhos. O prêmio, realizado desde 1986, é o mais tradicional do segmento de design no país e um dos principais da América Latina. Busca mostrar um panorama anual da produção nacional em categorias que abrangem o design de produtos e trabalhos escritos, acadêmicos e do setor editorial, ligados ao mercado. A cerimônia de homenagem aos vencedores aconteceu no dia 11 de novembro. Todos os projetos premiados, incluindo os do Senai-SP, ficarão expostos no Museu da Casa Brasileira até dia 22 de janeiro de 2018.

O E.CUB veículo elétrico compartilhável, projeto realizado em conjunto por diversas unidades do Senai-SP, recebeu menção honrosa como Protótipo de Veículos, categoria e que esse é o prêmio máximo. Ana Lucia Domingues; Fernanda Moreira e Guilherme Castelllini são responsáveis pelo design.

Também foi menção honrosa a Impressora 3d Elite, da 3D Procer, na categoria Protótipo de Eletroeletrônicos, outra em que não há colocação dos vencedores. A cargo da unidade Senai Armando de Arruda Pereira, de São Caetano do Sul, tem como autores Paulo Kazuo e Guilherme Castelllini.

Ficou em segundo lugar na categoria Protótipo de Utensílios o Vedador Cirúrgico Gas Seal, design também de Paulo Kazuo e Guilherme Castelllini, realizado pela  unidade Senai Armando de Arruda Pereira.

Na categoria Construção, o Conector Pente de Medusa, da Unidade Senai Mario Amato, de São Bernardo do Campo, ficou em segundo Lugar. Os autores são Fernanda Moreira e Herbert Soares da Silva

Os projetos em detalhes

 

Foto: Senai-SP
E.CUB veículo elétrico compartilhável, menção honrosa em Protótipo de Veículos

E.CUB veículo elétrico compartilhável

O E.CUB é um veículo elétrico, individual, compacto e compartilhável, totalmente otimizado para os grandes centros urbanos. Com um aplicativo é possível encontrar as estações mais próximas em que o veículo fica estacionado. O desbloqueio e o pagamento (pré ou pós) também são feitos via aplicativo.

No nome, ”E” é de econômico/ecológico/conexão, e “CUB” remete a espaço/geométrico/métrica/urbano. No design, procurou-se embutir na forma do produto robustez para enfatizar durabilidade e segurança, minimalismo, simplificando a produção, mescla de formas geométricas aparentes com linhas suavizadas, causando a empatia do usuário com o carro, contemporaneidade, tecnologia, versatilidade, compartilhamento, causando uma interface dinâmica entre o usuário e o produto.

O E.CUB ocupa um espaço 40% menor em relação a um veículo convencional de pequeno porte. Para permitir um amplo campo de visão, sua estrutura é feita com 80% de materiais transparentes. O produto não pretende competir diretamente com carros, e se apresenta como solução para amenizar os problemas causados pelos meios de transportes disponíveis hoje no mercado. A carroceria, feita em compósito de fibra de carbono e de fibra de vidro, confere ao conjunto resistência mecânica, além de leveza, tornando-o ágil, versátil e econômico.

Foto: Senai-SP
Impressora 3D Procer Elite, menção honrosa em Protótipo de Eletroeletrônicos

Impressora 3D Procer Elite

A 3D Procer Elite é uma impressora 3D, de tecnologia FDM, elaborada para ser robusta, resistente e oferecer alta qualidade e definição de impressão. Seu desenho amigável, elegante e com acabamento diferenciado apresenta uma proposta única em seu segmento. O produto foi criado com a intenção de valorizar a indústria nacional e também apresentar uma impressora de alta qualidade, confiável e que seja feita para durar, além de se destacar pelo design. 

Toda a estrutura interna da 3D Procer Elite é feita de aço inoxidável, garantindo maior precisão dimensional e resistência mecânica e diminuindo as vibrações provenientes do processo de impressão, e seu acabamento externo é de alumínio com pintura automotiva. A impressora possui 4 portas de acrílico, permitindo visão total da parte interna, além de fácil acesso ao produto impresso e aos carretéis de filamento plástico. Uma tela de LED sensível ao toque completa o desenho da parte frontal do produto, tornando a interação muito mais fácil e intuitiva.

Foto: Senai-SP
O Vedador Cirúrgio Gas Seal, segundo lugar na categoria Protótipo de Utensílios

Vedador Cirúrgico Gas Seal

O vedador de gás cirúrgico para laparoscopia Gas Seal é um dispositivo de silicone cirúrgico, de formato cônico, com aletas circulares, que conforme penetra no tecido no furo feito para passagem do trocáter (instrumento utilizado para penetração na cavidade abdominal), veda todas as passagens de ar para o meio externo. 

Durante os procedimentos cirúrgicos de laparoscopia são realizados furos para a passagem de instrumentos. Por não haver nenhum tipo de vedação na região dos furos no tecido do paciente e também por conta da movimentação, ocorre um vazamento do gás que é injetado para inflar a cavidade abdominal.

Para conter este vazamento, a maioria dos médicos utiliza gaze e outros materiais maleáveis, porém não eficientes para esta operação. Como as ações tomadas não surtem o efeito de vedação esperado, é necessário completar o volume de gás perdido. 

O vedador de gás Gas Seal é um produto inovador pois apresenta uma solução barata, simples e eficiente. Seu formato cônico se ajusta conforme a pressão que lhe é conferida para aumentar o poder de vedação do dispositivo. O interior da peça possui um furo circular para permitir a passagem do trocáter sem restringir seus movimentos. 

Foto: Senai-SP
Conector Pente de Medusa, segundo lugar na categoria Construção

Conector Pente De Medusa

O Conector Pente de Medusa é um organizador para fios e cabos de telecomunicações (rede de internet e telefone). Seu design foi projetado para organizar os fios de maneira prática e segura. Pensou-se também em uma geometria reforçada com nervuras que proporcionam resistência mecânica à peça e um desenho que possa ser moldado pelo processo industrial de injeção plástica. Foram definidos em sua composição polímeros de engenharia com 60% de poliamida e 40% de fibra de vidro, devido aos requisitos de desempenho mecânico.

Por ser um produto que ficará posicionado muito próximo às redes de alta tensão, procurou-se especificar uma composição polimérica com aditivos que adequem o material à aplicação, tais como fotoestabilizantes e retardantes de chama, e também aditivos que forneçam resistência a intempéries. O conector é fixado em postes de concreto com braçadeiras ajustáveis de aço. Desenvolveram-se quatro modelos diferentes de conectores, que são utilizados para regiões mais e menos populosas.

Atualmente não existe no mercado nenhum conector ou suporte para fios e cabos de telecomunicações. Os fios e cabos geralmente ficam emaranhados uns nos outros, causando uma terrível desorganização nos postes. Essa poluição visual, além de agredir esteticamente as cidades, também prejudica os trabalhos dos técnicos, que precisam encontrar as pontas dos cabos e desembaraçá-los para fazer o serviço.