Edital de Inovação para a Indústria 2017 do Senai-SP aprova mais dez projetos

A A A

Empreendedores terão o apoio da instituição para desenvolver suas ideias de produtos e serviços

22/05/2018

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

Vem aí mais uma temporada de iniciativas inovadoras. Foram assinados, na tarde desta segunda-feira (21/05), na sede da Fiesp e do Senai-SP, em São Paulo, os contratos dos projetos aprovados pelo Edital de Inovação para a Indústria 2017, Ciclo 3. Assim, empreendedores das mais variadas áreas terão o apoio da indústria paulista para desenvolver produtos e processos diferenciados, um suporte que começa em junho de 2018 e tem duração de dois anos.

“Trabalhamos pela inovação e formamos as novas gerações com esse foco”, disse o terceiro vice-presidente da Fiesp e do Ciesp, Rafael Cervone, na cerimônia de assinatura dos contratos.

“Estamos muito empolgados”, afirmou o diretor técnico do Senai-SP, Ricardo Terra. “Podem contar com a nossa energia e com toda a ajuda do Senai”, disse ele aos empresários.

Empolgada estava ainda Francisca Vieira, empreendedora da confecção de moda feminina Natural Cotton Color, de João Pessoa, na Paraíba. Ela foi selecionada para o edital de Inovação com o desenvolvimento de um fio ecológico, orgânico e sustentável de algodão que já nasce colorido e é misturado com seda pura. Assim, o material dispensa o tingimento na fábrica, o que representa uma economia de 87% no uso de água em toda a cadeia produtiva.

“Com esse fio, as peças dispensam as lavagens especiais, já vêm com cor”, disse.

Segundo ela, a ideia começou a ser transformada em realidade na unidade do Senai na capital paraibana, tendo sido selecionada no edital do Senai-SP. “Agora vamos começar a avançar no projeto”, explicou.

Não menos animado, o empresário Csaba Sulyok, da Cosol, de São Paulo, foi escolhido por seu plano de geração distribuída de energia que prevê geração e uso pelos próprios consumidores e micro usinas para o compartilhamento do serviço. “O Senai-SP vai apoiar o desenvolvimento tecnológico da nossa ideia”, afirmou. “Estamos felizes por contar com profissionais maravilhosos que entendem os benefícios da ideia para a sociedade”. 

O investimento no que é bom para todos, uma premissa do Senai-SP, também foi destacada pela consultora Juliana Polizeu, representante da empresa Tecnicer, de cerâmicas técnicas, com sede em São Carlos, no interior paulista.

Pelo edital, a empresa vai desenvolver um sensor para ser colocado numa cerâmica e assim medir a umidade do solo, irrigando a terra com precisão. “O Senai-SP vai fazer a cerâmica, a embalagem do produto e toda a tecnologia envolvida”, explicou ela.

Além do fator tecnologia, o Senai-SP ajuda as empresas selecionadas a adaptarem seus produtos e serviços às normas técnicas.

É o caso da Habitar, de Pindamonhangaba, no interior do estado. O empreendimento existe há quatro anos e oferece um sistema construtivo capaz de erguer as paredes de duas casas de 56 metros quadrados cada em cinco dias a partir do trabalho de seis funcionários. Essas paredes são instaladas com tubulação hidráulica e elétrica e aberturas embutidas.

“Vamos aprimorar o projeto nos laboratórios do Senai para obter adequações normativas e assim ganhar mais mercado”, disse Gustavo Faria, diretor da empresa.