• Cursos
  • Escolas
  • Site
  • Aprendizagem Industrial
  • Cursos Livres
  • Cursos Tecnicos
  • Faculdade
  • Pós-Graduação
  • Capital
  • Grande São Paulo
  • Interior

SENAI-SP FORTALECE PARCERIA COM A POLI, DA USP, PARA FABRICAÇÃO DE PEÇA PARA PROTÓTIPO DE VENTILADOR PULMONAR

A A A

A atribuição do Senai-SP foi a de dar suporte à produção de um componente do respirador Inspire, a peça fuso, que faz a movimentação do pulmão artificial

30/04/2020

A Fiesp e o Senai-SP fortaleceram a parceria com a equipe multidisciplinar da Escola Politécnica (Poli), da Universidade de São Paulo (USP), para o projeto Inspire. O grupo da Poli é responsável por tirar do papel, de forma pioneira, o protótipo de um ventilador pulmonar de baixíssimo custo e fácil fabricação cuja função é a de suprir a alta demanda do aparelho hospitalar em razão da pandemia do COVID-19.

A atribuição do Senai-SP foi a de dar suporte à produção de um componente do respirador Inspire, a peça fuso, que faz a movimentação do pulmão artificial. As entidades reiteraram a cooperação neste trabalho e em próximos, durante videoconferência, realizada pelo Conselho de Inovação e Competitividade (Conic), da Fiesp, na manhã desta quarta-feira, 29/04.

Neste caso do protótipo do ventilador pulmonar batizado de Inspire, o Senai-SP segue desempenhando um importante: o de fornecer a pesquisa aplicada desenvolvida pelos profissionais da escola Senai Suíço-Brasileira Paulo Ernesto Tolle.

O gerente de Inovação e Tecnologia do Senai-SP, Oswaldo Maia, explicou que a equipe da Poli, USP, procurou os profissionais da instituição com a finalidade de suprir a dificuldades na microfabricação desse componente em aço. “Fizemos os testes de usinagem e a documentação dessa peça. E, a partir disso, estamos produzindo os componentes para serem testados nesta fase e que contribuem para o respirador atingir as especificações que a equipe programou”, contou.

Durante a videoconferência, os pesquisadores da Poli, USP, apresentaram as especificações do protótipo do respirador, que está sendo produzido em caráter emergencial e com preço estimado em R$ 1 mil reais. O respirador mais barato disponível no mercado custa R$ 15 mil. Uma diferença de valor importante para a aquisição do equipamento em tempos da pandemia, que tem como um dos sintomas mais graves a alteração das condições respiratórias de seus pacientes.

“Todas as fases operacionais do ventilador pulmonar que produzimos são controladas eletronicamente. O equipamento terá a capacidade de atender pacientes em UTI, entubados, em estado grave e com sérias complicações respiratórias”, afirma o professor Raul González Lima, especialista em Engenharia Biomédica e um dos coordenadores do projeto.

Dario Gramorelli, da Associação dos Engenheiros Politécnicos, um dos profissionais que integra a equipe responsável pelo projeto, reforçou a importância da cooperação entre o Senai e a Poli. Ele relembrou, também, os acordos celebrados entre as duas instituições, que possibilitou o uso dos laboratórios do Senai pelos alunos da pós-graduação da USP. “Não temos nenhuma dúvida de que o desenvolvimento desse componente, o fuso, foi fundamental para o nosso projeto. E continuará sendo. Temos uma produção em caráter de escala. Esta semana, fabricamos 5. Na próxima, 30. E, na outra, serão 300 unidades”, ressaltou.

Inspire deverá ser um turning point nas experiências de suporte à vida. Principalmente, em regiões remotas do país. Depois de aprovado na fase de testes técnicos, o equipamento aguarda aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Agradeço demais o conhecimento obtido durante a reunião de hoje. É impressionante a qualidade científica e técnica dos profissionais do Senai e dos pesquisadores que integram a equipe da USP. Esta será uma tecnologia que deverá mudar o padrão mundial de cuidado com pacientes que apresentem tais dificuldades respiratórias”, reforçou o presidente do Conic, da Fiesp, Antonio Carlos Teixeira Álvares, fez questão de reforçar que

CONSERTO DE RESPIRADORES

Como parte das ações de enfrentamento da Covid-19,  Senai-SP montou uma rede de recuperação de respiradores. A Escola Senai Mariano Ferraz, na Vila Leopoldina, se tornou um dos postos avançados desta batalha. Lá, os técnicos do Núcleo Odonto-Médico-Hospitalar Manoel Amaral Baumer estão capacitando representantes de montadoras para o reparo de respiradores artificiais. O núcleo é referência na área de manutenção de equipamentos biomédicos e oferece mais de dez cursos na área. Desde o dia 28 de abril, já foram recuperados 59 respiradores. Em uso, nos hospitais, cada equipamento tem a capacidade de salvar a vida de dez pessoas.