• Cursos
  • Escolas
  • Site
  • Aprendizagem Industrial
  • Cursos Livres
  • Cursos Tecnicos
  • Faculdade
  • Pós-Graduação
  • Capital
  • Grande São Paulo
  • Interior

SENAI-SP participa de evento que discutiu a aprendizagem remota na educação profissional

A A A

O debate teve transmissão on-line e contou com a participação de mais de 800 pessoas

09/07/2020

O SENAI-SP participou da 25ª edição do Fórum da Educação Profissional do Estado de São Paulo. O evento reuniu representantes das principais instituições de ensino profissionalizante do Estado e teve como tema a “Aprendizagem Remota na Educação Profissional”.

Com a pandemia, as escolas tiveram que adaptar o ensino presencial para o formato remoto. O Centro Paula Souza, o SENAC São Paulo, o Instituto Federal de São Paulo e o SENAI São Paulo apresentaram suas experiências sobre como manter as atividades pedagógicas durante a quarentena e contaram como estão se preparando para a retomada segura do convívio social nas unidades escolares.

 

Segundo o diretor regional do SENAI-SP, Ricardo Terra, a instituição já ofertava diversos cursos e qualificações on-line, com uso de simuladores e outras tecnologias aplicadas na aprendizagem remota. O conhecimento prévio sobre educação a distância foi fundamental para que o SENAI-SP conseguisse rapidamente se organizar para o novo cenário sem comprometer a qualidade do ensino e a segurança da equipe escolar e dos alunos. “É um momento em que precisamos aproveitar para rever conceitos, quebrar e construir novos paradigmas com responsabilidade e resultado” – concluiu Terra.

 

Laura Laganá, diretora-superintendente do Centro Paula Souza, disse que a instituição teve conhecimento de que um percentual de alunos não tinha acesso à internet e, dessa forma, não conseguiam se conectar à plataforma de ensino. Ela complementou: “adquirimos 22 mil chips que estão sendo distribuídos nas unidades para esses estudantes”.

 

A coordenadora de Educação do SENAC-SP, Ana Luiza Marino Kuller, contou que foi criada uma dinâmica constante e permanente para a articulação e o compartilhamento de boas práticas. “Realizamos reuniões periódicas com as equipes pedagógicas e criamos grupos virtuais, tudo numa perspectiva de construção colaborativa e de mapeamento de necessidades e oportunidades”, acrescentou Ana.

 

 

Para o reitor do IFSP, Eduardo Antonio Modena, “as experiências exitosas farão a diferença, e irão nos balizar naquilo que é mais importante na aprendizagem remota, levando em consideração a reação do nosso aluno frente a esse novo modelo”.

 

Almério Melquíades de Araújo, presidente do Fórum, afirmou que “o uso de tecnologias para a formação profissional durante essa crise, sem dúvida, será um apoio significativo para essa ambição de ampliar efetivamente a educação profissional com foco na preparação do jovem para o ingresso no mundo do trabalho.”

 

Todas as instituições foram unânimes em afirmar que darão prioridade aos alunos concluintes em relação às aulas práticas assim que for possível o retorno às escolas, conforme plano de retomada do governo do Estado. Também informaram que estão preparados para acolher e dar suporte aos alunos e familiares que estejam doentes, passando por alguma dificuldade ou que sofreram perdas.

 

Os especialistas em educação Nacim Walter Chieco e Fernando Leme do Prado também participaram do debate.

 

SOBRE O FÓRUM DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

O Fórum existe há 14 anos e semestralmente discute temas relevantes para o ensino profissionalizante, como a formação de professores, a inclusão de alunos com deficiência e os processos de avaliação. Também foi criado para proporcionar a integração de professores e gestores das unidades escolares que atuam no Estado.

O Fórum é composto pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI-SP), Centro Paula Souza (CPS), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC-SP). Ainda fazem parte do grupo o Sindicato dos Técnicos Industriais de Nivel Médio do Estado de São Paulo (Sintec-SP), o Sindicato dos Tecnólogos do Estado de São Paulo (Sintesp) e o Conselho Regional de Química – IV Região (CRQ-IV).